Imobilidade na carreira impressiona EPPGGs em reunião na ANESP

Relatos compartilhados servirão para produzir um diagnóstico da gestão da carreira

 Foto: ANESP

Foto: ANESP

De forma isolada, cada Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG) presente à reunião desta segunda-feira (10), na sede da Associação Nacional dos Especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental (ANESP), sofria com dificuldades relacionadas a mobilidade. O que parecia ser um calvário particular se revelou em um problema sistêmico evidenciado a cada relato compartilhado com detalhes pelos gestores.

O encontro relevou que as dificuldades giram em torno de dois pilares da carreira: transversalidade e capacitação. Dois pontos correlatos. O material recolhido durante o encontro subsidiará um diagnóstico a ser compartilhado com a Secretaria de Gestão Pública (Segep), órgão gestor da carreira de EPPGG.

“A questão central está em alocar gestores considerando as necessidades da Administração Pública e as competências que os gestores adquiriram tanto no afastamento para capacitação quanto ao longo das trajetórias individuas dentro do serviço público. A Administração só ganha quando coloca a pessoa certa no lugar certo. Falta identificar as competências dos gestores por meio de um mapeamento mais amplo e buscar o melhor aproveitamento dos gestores na máquina”, conclui Aleksandra Santos, vice-presidente da ANESP, que presidiu o encontro.

Mobilidade e PCLD

Já no início, logo após o concurso público, o gestor tem dificuldade em ser alocado onde poderia colocar em prática seus conhecimentos. Insatisfeito por não poder aplicar suas competências, tentar mudar de órgão, ou seja, utilizar-se da transversalidade, tem sido um direito cada vez mais restringido por cada ato normativo editado pelo órgão gestor da carreira.

As mudanças nas regras para afastamento e mobilidade têm sido mais frequentes - e mais restritivas - desde 2009. De lá para cá, o cenário foi avaliado pelos presentes como “inseguro”. Nos termos atuais, o gestor que queira se qualificar por meio de mestrado e doutorado, que exige normalmente, pelo menos, dois anos de dedicação retorna ao quadro da Segep, onde demora até encontrar nova casa. Casa esta que, segundo os relatos, não necessariamente tem a ver com os conhecimentos adquiridos durante a capacitação.

“Isso cria um problema também junto aos ministérios. Para o gestor ser afastado, ele precisa da anuência dos secretários executivos. Não havendo certeza sobre o retorno do EPPGG para o órgão de origem, a anuência pode ser inviabilizada”, relata Aleksandra.

Desabafo e Sigilo

Um dos gestores, que não quis se identificar, desabafa. “Estou vivendo a angústia das duas situações. Quero trabalhar com aquilo que mais sei e não consigo me realocar. Quero me especializar mais, mas não consigo sequer me planejar. Apenas três vagas para mestrado, e nenhuma para doutorado? É um acinte. Vemos que a cada portaria nossa carreira vai sofrendo com restrições e mais restrições. É preciso reagir”, ressalta o gestor, lembrando a portaria que disciplina o número de vagas o Programa de Capacitação de Longa Duração (PCLD), referente ao segundo semestre deste ano.

Ao fim de cada explanação, os gestores presentes foram unânimes em pedir sigilo.

“Por ser uma carreira transversal que depende muito de relações profissionais, o gestor teme que uma atitude dessa (de reclamar) vá prejudicá-lo, repercutindo de forma negativa em seu local de trabalho, e teme ser ‘marcado’ pelo resto da carreira”, explica Aleksandra.

Intermediação

Ao concluir, a vice-presidente coloca a Associação à disposição dos gestores que têm enfrentado problemas profissionais.

“A ANESP percebe que existem problemas no que se refere a garantir o melhor aproveitamento dos EPPGGs na Administração Pública. A carreira, da mesma forma. Nos resta, enquanto associação, buscar essa intermediação, que é a razão de ser da ANESP. Quem tiver qualquer dificuldade, deve nos procurar. Estamos aqui para isso”, enfatiza.

Serviço

Sugestões, dúvidas ou reclamações sobre Assuntos Profissionais devem ser enviadas por e-mail para assuntosprofissionais@anesp.org.br ou vicepresidente@anesp.org.br.