ANESP e mais oito entidades fundam frente contra assédio no serviço público

Objetivo da Frente Sindical e Associativa Contra as Formas de Assédio no Serviço Público é mobilizar autoridades políticas, parlamentares e servidores da administração pública

 Presidente da ANESP João Aurélio. Foto: Filipe Calmon/ANESP

Presidente da ANESP João Aurélio. Foto: Filipe Calmon/ANESP

A ANESP, representada pelo presidente João Aurélio (foto) e pela diretora Ena Colnago, participou da criação da Frente Sindical e Associativa Contra as Formas de Assédio no Serviço Público na quinta-feira (05), no auditório Paulo Nogueira Batista, do Ministério das Relações Exteriores. A iniciativa é do Sindicato Nacional dos Servidores Públicos do Ministério das Relações Exteriores - Sinditamaraty e visa mobilizar autoridades políticas, parlamentares e servidores da administração pública na luta contra o assédio.

O presidente da ANESP acredita que o empenho contra o assédio moral e contra as variadas formas de violência no ambiente de trabalho é tarefa que une todas as carreiras. “É muito importante que as carreiras estejam unidas em um tema que toca a todos e que tem crescido. É uma violência invisível, mas que maltrata pesadamente homens e ainda mais as mulheres. É uma excelente iniciativa”, avalia.

A advogada Denise Pinheiro, subsecretária de relações do trabalho do Governo do Distrito Federal, esteve presente ao evento e definiu o que é assédio. “É uma série de condutas repetitivas que minam o comportamento, a capacidade laboral, a estrutura psicológica e a identidade laboral do indivíduo no ambiente de trabalho. Seja por excesso de tarefas ou com a inação, que é quando o assediador deixa de delegar tarefas para aquela pessoa”, sintetiza.

O presidente do Sinditamaraty, Alexey van der Brooke, explica o que motivou a mobilização sobre o tema. “Nós tivemos o caso de Sidney que para nós foi o ponto chave. A partir daí nós chegamos à conclusão de que a solução para esse problema está na união de todos os servidores, porque isso não é um problema só do Itamaraty”, esclarece Alexey, relembrando o caso do cônsul brasileiro em Sidney-AUS acusado de assédio moral e sexual por funcionários da embaixada.

Além da ANESP e do Sinditamaraty, assinaram a ata de criação da Frente os representantes das seguintes instituições:

CSPB - Confederação dos Servidores Públicos do Brasil;
Confelegis - Confederação dos Servidores do Poder Legislativo e Tribunais de Contas do Brasil;
Sinasempu - Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério Público da União e do Conselho Nacional do Ministério Público;
SinpecPF - Sindicato Nacional dos Servidores do Plano especial de Cargos da Polícia Federal;
Sindfazenda - Sindicato Nacional dos Servidores Administrativos do Ministério da Fazenda;
Assecor - Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento; e
Anfip - Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil.

 Foto: Filipe Calmon/ANESP

Foto: Filipe Calmon/ANESP

Na ocasião, também foi criada uma Comissão que passa a ser a responsável pelo andamento dos trabalhos e que é composta por cinco entidades: CPSB, Confelegis, Sinasempu, Sindifazenda e Sinditamaraty.